Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \30\UTC 2010

Read Full Post »

Read Full Post »

aprostituicao segundo Paulo Guinote

Levara sempre a vida nas orgias
e tinha, no seu rosto desbotado,
a feição das noturnas alegrias.

O seu corpo de jaspe cinzelado
tinha as corretas curvas palpitantes,
que o artista mais sublime tem sonhado.

Amava o ouro, as pedras faiscantes,
a branca cigarrilha perfumada
e os aromas dos vinhos espumantes.

Se ria, na sonora gargalhada
descobria-se o irônico azedume
de quem se vê nos charcos atolada.

Seu ardente olhar chispava o lume
que acendam nessas almas desvairadas
o ódio, o desespero e o ciúme.

Por uma dessas noites tresloucadas
encontraram-na morta sobre o leito,
e envolta nas madeixas desgrenhadas.

Tinha o semblante pálido e desfeito,
e a mão gelada e crispa comprimia
um crucifixo de marfim ao peito.

Nos veludos da pálpebra sombria
brilhava inda uma lágrima, a gerada
nos extremos arrancos da agonia.

Finou-se a prostituta abandonada,
e, ao sentir n’alma o último lampejo,
beijou do Cristo a fronte iluminada
e foi-se-lhe a alma presa nesse beijo
.

Antônio de Macedo Papança
(1852-1913)

Read Full Post »

O ócio torna lentas as horas e velozes os anos. A actividade torna rápida as horas e lentos os anos. A infância é a actividade máxima, porque ocupada em descobrir o mundo na sua diversidade.
Os anos tornam-se longos na recordação se, ao repensá-los, encontramos numerosos factos a desenvolver pela fantasia. Por isso, a infância parece longuíssima. Provavelmente, cada época da vida é multiplicada pelas sucessivas reflexões das que se lhe seguem: a mais curta é a velhice, porque nunca será repensada.
Cada coisa que nos aconteceu é uma riqueza inesgotável: todo o regresso a ela a aumenta e acresce, dota de relações e aprofunda. A infãncia não é apenas a infância vivida, mas a ideia que fazemos dela na juventude, na maturidade, etc. Por isso, parece a época mais importante, visto ser a mais enriquecida por considerações sucessivas.
Os anos são uma unidade da recordação; as horas e os dias, uma unidade da experiência
.

Cesare Pavese, in ‘O Ofício de Viver’

Read Full Post »

Read Full Post »

Read Full Post »

Read Full Post »

Older Posts »